HOME

SEJAM BEM-VINDOS

Subscribe To My Website

  • Subscribing allows you to get site updates. Your email address will be kept private.

LEGADO OLÍMPICO: O BRASIL REENCONTROU-SE COM AQUELE BRASIL QUE AMAVA. E ISSO TEM CONSEQUÊNCIAS. BOAS CONSEQUÊNCIAS. QUEM VIVER VERÁ!

Christina Fontenelle

22 de agosto de 2016

Eu sei que tem gente, não sem razão, que não queria que por aqui tivesse havido essa Olimpíada. É, nós sabemos que a tradição por aqui reza que o legado sejam dívidas. Dívidas para a gente pagar. Mas, eu acho que desta vez houve pontos positivos que não podem deixar de ser mencionados. Resolvi enxergar o copo meio cheio desta vez.

Começando do começo, vamos falar da abertura. Sim, ela tentou ser ‘politizada’, mas não conseguiu. O que ficou daquela festa, de verdade, foi o jeito brasileiro de fazer limonada com a amargura dos limões que recebe de quem os governa. Ficou a marca de como o que é simples pode ser espetacular também, se for cercado por amor e por alegria. E eu, que já andei por muitos lugares desse país, sei que isso é sim a mais verdadeira tradução do espírito de ser brasileiro. A tal da glamorização da favela, da cultura do funk, da distorção de nossa História, da exaltação do falso aquecimento global... Puff! Desapareceram no ar!

Ao contrário do que muita gente que analisa apenas números está dizendo, apesar de só termos melhorado 2 pontos em relação às medalhas que ganhamos em Londres (17 contra 19 nestes Jogos), passamos de 22° para 13° no quadro de classificação por medalhas. Isso não é pouca coisa para um país tão judiado pela realidade política e econômica como o nosso.

Em compensação, o que foi que o Brasil ficou sabendo sobre o Brasil nesta melhora relativa no desempenho esportivo?

Ficou sabendo que o Programa de Atletas de Alto Rendimento idealizado dentro das Forças Armadas em 2008, por causa dos Jogos Militares de 2011, e abraçado pelo Ministério da Defesa, mostrou-se um sucesso! O que pode fazer com que muitos empresários despertem para o retorno que investir em atletas e esportes das mais variadas modalidades, pode dar um bom retorno publicitário e ser um ótimo negócio. Foi uma das maiores e melhores propagandas que as Forças Armadas brasileiras puderam fazer de si mesmas, gastando apenas R$ 18 milhões em 8 anos!

O Brasil ficou sabendo também que não há regra ou receita para que um garoto ou uma garota qualquer, seja de que parte for desta imensa nação, de qualquer classe social, em tendo uma oportunidade, possa conseguir o inimaginável! E que, como nos esportes, também assim o farão em qualquer que seja a área de atuação. Temos é sede de oportunidades – e não somente nos esportes! Isso não é novidade. O novo é podermos ver com nossos próprios olhos que temos milhões de jovens que querem e podem estar no caminho correto! Milhões de jovens não estão ‘perdidos’ não! Não são o que nos mostram insistentemente na TV.

O Brasil ficou sabendo que ainda é uma nação – enorme, cheia de problemas, diversa e diversificada... Mas, uma nação! Um continente que fala a mesma língua, que torce junto, que sofre junto. Não! Não conseguiram nos dividir, ainda que a imprensa amestrada insista em propagar o discurso divisionista que, em fingindo ser defensor de oprimidos, pretende acirrar as disputas de classes, as raciais, as sexuais.

O Brasil ficou sabendo que ainda é muito, mas muito mesmo, cristão! A imprensa tentou não dar destaque às manifestações religiosas de nossos atletas vitoriosos, mas as imagens e as falas foram mais fortes.

Uma nação que ama e se mistura com suas forças militares e que carrega sua fé em Deus para suas vitórias jamais sucumbirá ao comunismo. Os exemplos de sucesso de nossos atletas, e até de alguns estrangeiros adotados por nós, mostram todos esses bons valores. Quantos meninos e meninas estão sendo salvos de suas próprias tragédias pessoais por causa destes exemplos? Será que se essas Olimpíadas fossem em outro lugar qualquer do planeta estas mensagens estariam tão evidentes assim para todos nós?

O Brasil também ficou sabendo que tem competência sim para garantir a segurança de milhões de pessoas, em grandes eventos. Mostrou durante a Copa do Mundo de futebol, em 2014, e repetiu a dose agora, nestas Olimpíadas. Em consequência disso, o país inteiro pode ver que, se a segurança pública não estivesse nas mãos de quem tem interesse em que ela não seja eficiente, estaríamos muito bem obrigada neste primordial quesito para a saúde de uma sociedade. Nossas forças de segurança, civis e militares, podem sim fazer um trabalho de excelência – nosso problema é de decisão política!

E, claro, é sempre bom lembrar que estivemos trabalhando em conjunto com centenas de estrangeiros que nos ajudaram também a fazer das Olimpíadas o sucesso que foi.

Deu tudo certo! Sim, fomos organizados à maneira carioca de ser, é verdade. Nosso forte mesmo é a alegria e o jeito hospitaleiro, caloroso e festeiro de receber. Houve falhas, houve erros – muitos corrigidos a tempo, mesmo que de última hora. Houve os crimes de sempre, principalmente fora das zonas de segurança olímpicas, com os quais o carioca, infelizmente, convive diuturnamente. Os cariocas também enfrentaram problemas com o trânsito, que ficou mais engarrafado do que de costume, em muitos dos dias de competição. Mas, o pessoal credenciado para o evento não viu nada disso. O planejamento dos corredores especiais para que transitassem pela cidade, mais todo o investimento em transporte público funcionou muito bem. Nestes dias de Olimpíadas, o Rio viveu um pouco mais em paz e ganhou espaços públicos para lazer que trouxeram um alento merecido aos cariocas. Sem falar no dinheiro que circulou por aqui, garantindo empregos e impedindo a falência de mais estabelecimentos ainda do que andamos vendo aumentar incessantemente nos últimos tempos.

O Brasil mostrou ao mundo que essa gente que nos governa, e que nos difama mundo afora como ladrões, não nos representa. E jamais nos representará de verdade, pelo menos em sua maioria, enquanto o Tribunal Superior Eleitoral for em si mesmo o responsável pela organização, avaliação, aplicação e fiscalização de todo o processo eleitoral; enquanto nossas urnas não forem modernizadas, bem como imprimirem os comprovantes de voto; enquanto os mesários tiverem acesso a uma listagem com os números dos títulos dos eleitores. Isso sem falar nos eleitores que são reféns de criminosos, que exigem votos de cabresto, em lugares onde quem manda é um estado paralelo. É por isso que quem manda por aqui faz coisas tão distintas dos anseios populares.

Os Jogos passaram, como passou a Copa do Mundo, e tudo volta ser como antes. Voltamos à nossa rotina de escândalos de corrupção, de desmoralização das instituições (principalmente da Suprema Corte), aos crimes hediondos, aos golpes de engenharia social engendrados pela mídia e por boa parte dos profissionais de educação e de cultura. Voltamos à rotina estupidificadora que vitimiza as sociedades nas quais a esquerda tem hegemonia cultural e institucional. Acontece que, diferentemente do que aconteceu depois da Copa do Mundo, NÓS é que não estamos mais como antes. Vocês vão ver que, para desgosto de muita gente poderosa, o Brasil se reencontrou com aquele Brasil que amava. E isso tem consequências. Boas consequências. Quem viver verá!

NÃO HOUVE INTERVENÇÃO MILITAR NENHUMA NA TURQUIA! FOI UMA FARSA! Porque, se tivesse havido, Erdogan, hoje, estaria morto ou exilado. E, por favor, parem de comparar o que ocorreu na Turquia com aquilo que porventura aconteceria se aqui no Brasil houvesse uma intervenção. Parem, porque, vê-se, quem faz isso não entende absolutamente nada do que se passa em nossas FFAA (desculpe, sem ofensas - apenas a realidade). Aliás, essa falsa intervenção controlada na Turquia serviu também a interesses comunistas internacionais: no caso, desencorajar intervenções na América Latina. E, desculpe novamente, no caso da Venezuela, só a morte (e sabe-se lá, hein?!) ou uma intervenção militar tira Maduro do poder. E ela virá!

Vamos aos fatos!

Segundo O Global Firepower Index - pesquisa anual que avalia as forças armadas de 160 países e produz um ranking – em 2015, a Turquia tinha a 10ª Força Armada mais poderosa do mundo. Em 2016, passou para a 8ª posição. As Forças Armadas turcas têm um orçamento anual de 18 bilhões de dólares, 411 mil militares prontos para batalha, mais de 3700 carros de combate, mais de 1000 aeronaves de guerra e mais de 100 navios. Tudo isso para cobrir uma área de 783.562 km².

Só para efeito de entendimento do que significam tais números, através de comparação, o Brasil, por exemplo, passou da 22ª, em 2015, para a 15ª posição em 2016, segundo o mesmo GFI. Possui um orçamento anual de 34 bilhões de dólares, cerca de 320 mil militares prontos para o combate (sem contar com os homens das forças auxiliares), cerca de 500 carros de combate, mais de 700 aeronaves de guerra e mais de 100 embarcações, para cobrir um território de 8.514.876 Km² - um território quase 11 vezes maior que o da Turquia.

Então, 754 militares (dentre eles 5 generais e 29 coronéis), de um efetivo de 411 mil pessoas da 8ª potência militar do planeta, resolveram que iriam derrubar o governo de Erdogan, sem o apoio de todo o efetivo, contra toda uma Força Armada que está sob o comando de homens que apoiam o presidente ditador e num país cujas imprensa e Justiça vêm sendo aparelhadas completamente – uma vez que jornalistas e magistrados contrários ao governo estejam quase todos presos e órgãos inteiros de imprensa fechados ou tomados por forças governamentais. Corajosos, né?

Sem falar no exemplo que possuem da tentativa de reação ao ditador muçulmano, ocorrida em 2003, envolvendo mais militares ainda. Erdogan acabara de assumir o cargo de primeiro ministro da Turquia e já começava a colocar suas garras islamizadoras radicais para fora. Já naquela época, o ‘golpe’ que pretendia que a Turquia permanecesse democrática e laica, foi desarmado pelos apoiadores de Erdogan. Mil pessoas, entre militares e opositores foram parar na cadeia! Anos depois, foram julgados e condenados – boa parte delas – à prisão perpétua. De lá para cá, a perseguição aos opositores só aumentou, bem como a islamização do país. Dezenas de igrejas, por exemplo, foram transformadas em mesquitas e outras tantas em museus (islâmicos, claro). Querem saber sobre a extinção dos cristãos na Turquia? Leiam: http://perigoislamico.blogspot.com.br/2015/05/cristaos-da-turquia-beira-da-extincao.html

E foi diante dessa realidade, que só piora, há 13 anos, que 754 militares resolveram sublevar-se para tomar o poder.

Então, eu repito: corajosos esses militares dessa nova reação, né?

Haja coragem, burrice e espírito suicida!

Ah! Só para constar, o ditador aproveitou o ‘fracasso do golpe’ (me engana que eu gosto) ordenar a prisão de 2.745 juízes e promotores!

Golpe bom esse, para o ditador muçulmano apoiador de terroristas! A desculpa perfeita para eliminar a já pouca oposição que restava no país.

O Exército turco está, tradicional e historicamente, acostumado a planejar tomada de poder. As Forças Armadas turcas sempre foram a garantia das liberdades e da laicidade do estado. Como é que uma força militar tão experiente cometeu erros crassos como nesta última tentativa de ‘golpe’?

Bem, a fórmula não é nenhum mistério. Primeiramente, pega-se o líder do país; em seguida, ocupam-se os meios de comunicação e coloca-se o líder na mídia, humilhado. Em vez disso, os ‘golpistas’ decidiram agir enquanto Erdogan estava em férias (e, aparentemente, nem sequer tentaram prendê-lo onde quer que estivesse). De modo que o golpe já começou com o líder do país livre, leve e solto, com todos os recursos de comunicação disponíveis. Os ‘golpistas’ orientaram a população comum que os estava apoiando a deixar as ruas (oi?). Já Erdogan, ao contrário, pediu que seus apoiadores (aquele pessoal da irmandade muçulmana) fossem para as ruas apoiá-lo! Exatamente a situação oposta que os ‘golpistas’ poderiam querer.

Não bastasse isso, os ‘golpistas’ começaram a disparar sobre civis (aparentemente) - o que também é algo que definitivamente não se faz, já que provoca repulsa ao movimento. Ao mesmo tempo, explodiram algumas bombas em lugares onde não havia opositores presentes, além de usarem aviões disparando a esmo nos céus. E, para fechar com chave de ouro, permitiram que testemunhas comuns, nas ruas, declarassem à CNN Internacional que os militares haviam desistido do ‘golpe’.

Como é possível que apenas "uma parte" dos militares tenha o controle de todos estes tanques, aviões e soldados? Os chefes das forças armadas simplesmente não estavam prestando atenção enquanto isso era planejado? Como é que isso faz algum sentido? Ah, sim! Tudo estava sendo planejado por um velho clérigo islâmico exilado lá na Pensilvânia, nos EUA!

Tudo mais parece uma grande encenação! Claro, alguns elementos das forças armadas realmente achavam que estavam reconquistando o páis. Foram enganados mesmo, pelos próprios irmãos de farda – provavelmente seus superiores.

Lógico, dificilmente, tudo isso poderá ser provado, a menos que um denunciante (de dentro do grupo das poucas autoridades que sabiam da trama) apareça, agora ou no futuro.

No entanto, as coisas podem, ali na frente, não saírem exatamente como o ditador planejou. O exército sai humilhado da situação e isso pode não dar muito certo dentro da caserna. Logo, todos perceberão o tamanho da traição que aconteceu ali. E, se houve quem tenha caído nessa ‘armadilha’, é porque já há boa parte das tropas insatisfeita com a situação do país. Sabe-se, por exemplo, que os militares não estão nada satisfeitos com os desentendimentos do líder com a OTAN. Lá na frente, pode ser que o ‘golpe de mestre’ do ditador lhe saia pela culatra!

Não precisávamos ter chegado ao ponto em que chegamos, nesse caos político, econômico e ético. Quem são os culpados? Os eleitores? Não, de forma nenhuma. Pessoas enganadas, mal informadas e despreparadas votam mal mesmo. Então, quem as enganou? Quem as informou mal? E de quem é a culpa de seu despreparo? Precisamente estes são os culpados pelo cenário que vemos hoje instalado no país – a classe política, a imprensa e os mestres letrados. Todos, com raríssimas exceções, e por anos a fio, de viés esquerdista, contribuindo em conjunto para construir a cegueira lógica, ideológica e política da imensa maioria da população. Não se pode deixar de fora o Judiciário como um todo – homens bem preparados, bem informados e com boa estrutura para realizar um trabalho honesto e eficiente. Com tudo isso, entretanto, deixaram que o aparelhamento tomasse conta das cortes, das delegacias, das procuradorias etc. Não fizeram o que tinham que fazer. Imaginem se todos tivessem agido, cada um na sua área, como vem agindo o Juiz Sérgio Moro?


Se todo mundo tivesse trabalhado direito, com afinco e corretamente, Lula jamais teria sido reeleito em 2006. Já naquela época havia elementos de cometimento de crimes suficientes para extirpar o PT e seus aliados da vida pública do país. E já naquele tempo eu escrevia: o maior legado do PT e de Lula será a instalação da cultura do ódio, da divisão dos brasileiros entre ricos e pobres, elites de olhos azuis e ‘nós’, homossexuais e heterossexuais, brancos e negros (sim, ele tentou matar os mestiços), patrões e trabalhadores, etc. Usou e abusou da tática de dividir para dominar.


É preciso que se reconheça isso, antes de tudo, numa autorreflexão destemida, para que possamos realmente reconstruir o Brasil. Não há santos, não há inocentes e não há isentos. E se não os há, sabem muito bem todos que o impeachment não será ‘A’ solução para a crise em que estamos metidos, embora seja, sim, um primeiro e importante passo.


A única voz de oposição a este governo e à hegemonia do discurso esquerdista na grande imprensa, desde antes da primeira eleição do PT, foi o escritor, professor e filósofo Olavo de Carvalho. Aos poucos, ainda antes do advento das redes sociais, mas já com o crescimento do número de blogues e de sites na internet, foram surgindo outros nomes – poucos ainda, e entre os quais eu me incluo, a partir de 2002 – que, igualmente, trabalharam para a desconstrução da ideologia esquerdista. Muito trabalho e muita luta foram necessários para fazer surgir toda uma nova geração de escritores, professores, pensadores, estudantes imunes ao esquerdismo e, eles próprios, propagadores da cultura antiesquerdista, muito mais do que portadores de um pensamento único de, digamos, direita.


Com o boom das redes sociais, a esquerda não conseguiu ocupar o espaço que já pertencia aos órfãos de informação verdadeira e de análises coerentes. Isto, o acesso à INFORMAÇÃO VERDADEIRA, foi o motor propulsor, a semente que fez germinar, o início da queda da esquerda no Brasil. Cada artigo escrito, cada vídeo gravado, cada aula dada, cada conversa de esquina, cada telefonema para a grande imprensa e para parlamentares, cada mínimo protesto e, porque não dizer, cada humilhação sofrida por parte de um esquerdista trouxe-nos ao incrível cenário de reação à comunização deste país.


O impeachment está aí. É uma grande conquista, embora saibamos que seja só o começo.


Dilma e sua claque reclamam que não há razões legais para o impeachment. A presidente alega que não cometeu crime de responsabilidade e que não está sendo investigada por nenhum outro crime relacionado à maior operação de limpeza de corrupção jamais realizada no Brasil, a Lava-Jato. Sim, a presidente cometeu crime de responsabilidade fiscal (as pedaladas), entre outros crimes institucionais, e AINDA não está sendo investigada oficialmente pela Lava-Jato, justamente pelo cargo que ocupa.


Vamos às ‘pedaladas’. E vamos falar somente das que foram dadas perante à Caixa Econômica Federal. O governo faz um contrato de prestação de serviços com o banco, para que este faça uma série de pagamentos e deposita a quantia estimada para que sejam feitos. Quando a quantia é insuficiente, o banco faz os pagamentos adiantadamente e o governo repõe o montante adiantado num prazo que não ultrapassa uma semana. Esse é o procedimento. O presidente Fernando Henrique Cardoso atrasou quatro vezes essa reposição — uma em setembro de 1996 e em janeiro, abril e junho de 2002 (R$ 433,2 milhões). Lula atrasou três vezes — em setembro e novembro de 2003 e novembro de 2006  (R$ 500 milhões). Os saldos ficaram devedores por poucos dias e, portanto, não foram enquadrados como ‘pedaladas’, simplesmente porque, em assim sendo, não caracterizaram finalidade de obtenção de um financiamento forçado junto ao banco público.


E madame? Dilma ‘pedalou’ 35 vezes mais que Lula e FHC juntos! Totalizando um saldo devedor de R$ 33 bilhões, com 19 ‘pedaladas’, em todos os anos de seu governo. Isso porque o que se sabe é até outubro de 2015, já que o governo decretou sigilo sobre estas operações. Sabe-se que o governo ainda está devendo tarifas à Caixa pela prestação de serviços, o que levou o banco a entrar na Justiça contra o governo para cobrar a dívida. Madame fez a Caixa de ‘cheque especial’ e dane-se! Entenderam? Ah! E o Tribunal de Contas da União reprovou as contas de 2014 do governo Dilma.


E, se alguém esqueceu, eu vou lembrar aqui. Em dezembro do ano passado (2015) o governo encaminhou ao Congresso Nacional, QUE COMETEU A INSANIDADE DE APROVAR, um projeto de Lei que reduzia a meta fiscal daquele ano, para que o governo não DESCUMPRISSE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL! Se o Congresso não tivesse APROVADO A REDUÇÃO DA META, o governo teria que cumprir o que estava legalmente estabelecido, que era uma meta de R$ 55,3 bilhões de superávit primário (economia para pagar juros da dívida pública). Acontece que, já em outubro de 2015, o rombo nas contas públicas já alcançava a astronômica, e inédita na história do país, quantia de R$ 33 bilhões! De modo que não conseguiria cumprir a meta. Portanto, o Congresso permitiu que o governo federal encerrasse 2015 com um déficit recorde de R$ 119,9 bilhões, já que, também aprovaram o abatimento de até R$ 57 bilhões para compensação das chamadas ‘pedaladas fiscais’.


Sabe como Dilma conseguiu que o Congresso aprovasse tal aberração para livrá-la do cometimento de crime de responsabilidade fiscal? Chantagem. Isso mesmo. Principais vítimas? Você, eu e o resto dos brasileiros que não fazem parte da máquina governamental. Como? Ora, dias antes, madame, decretou, com uma canetada, um contingenciamento de mais de R$ 11 bilhões nos gastos governamentais o que acarretaria interrupção das atividades essenciais em todos os órgãos federais – coisas como pagamento de aluguel, água, luz, transporte, passagens e diárias - e da execução de investimentos necessários à manutenção da infraestrutura do país. Só isso. Entenderam?

Portanto, madame ‘Adeus Querida’ cometeu crime de responsabilidade SIM! Mas, no lugar de Dilma poderia estar o petista Zé das Couves. Os brasileiros, em sua maioria, e por uma questão de sobrevivência, estão ‘impichando’ é o PT mesmo! Com toda a razão e pelo cometimento incessante de inúmeros crimes. Crimes de dilapidação do erário. Crimes de roubo de dinheiro público para enriquecimento ilícito de seus membros e para a execução de um projeto de permanência no poder. Crimes de lesa pátria, com empréstimos e desvios de dinheiro público para financiar companheiros de projeto autoritário de implantação da grande pátria comunista. Crimes de aparelhamento do Estado para a implantação deste mesmo projeto. Crimes de supostas fraudes eleitorais, desde 2006, para a reeleição estatisticamente atípica de Lula. Crimes contra a normalidade democrática, que requer a alternância de poder. Crime de governar supra nacionalmente, por e para a organização comunista Foro de São Paulo, em detrimento dos interesses do povo brasileiro. Crime de alinhamento ideológico partidário com as nações comunistas, em detrimento de nossa tradição democrática capitalista cristã ocidental. Crime de aparelhar e de financiar sindicatos e movimentos sociais com a explícita finalidade de formar uma milícia guerrilheira para vir a reprimir futuras reações à instalação de um Brasil comunista. Crime de entregar milhões de hectares de terras brasileiras à ONGs estrangeiras sob o manto falso de que sejam terras para índios e para quilombolas (uma aberração baseada em falsificação da História). Crime de impregnar a sociedade com discursos e práticas de ódio entre grupos artificialmente forjados por engenharia social da pior espécie. Crime de corromper a classe artística do país, fazendo com que somente possam destacar-se (e receber altos investimentos) aqueles que se alinharem com a ideologia do governo.


Razões todas estas que resultaram na nossa falência econômica, no desemprego de milhões de brasileiros, na insegurança pública descontrolada, na divisão fratricida irreconciliável, no vexame internacional, na desilusão de milhares de jovens, na imigração de famílias, na miséria de 22 milhões de brasileiros, nas epidemias causadas, no fundo, pelo estado deplorável em que se encontram as condições de saneamento básico no Brasil. Razões que nos levaram a um retrocesso jamais visto na História do país.


De que adiantou dar bolsa família a milhares de brasileiros, se esse governo não conseguiu que nenhuma delas deixasse de depender dessa ajuda? De que adiantou politizar o ingresso de jovens nas universidades públicas, se esse governo deixou que essas instituições chegassem à beira da falência? De que adiantou o Ponatec se não há mais empregos? De que adianta o Ciência Sem Fronteiras se os jovens que retornam ao país não têm como empregar seus aprendizados em pesquisas e em desenvolvimento?

E por tudo isso, e mais um pouco, já que alista de crimes é interminável, é que o impeachment será o primeiro passo que daremos em direção à reconstrução do Brasil que o PT destruiu.

Enfia o processo...

Não conseguiu ouvir muito bem o que Lula falava com Dilma ao telefone no vídeo de Jandira Feghali? Ele falava com Dilma Rousseff e mandou a PF 'enfiar no c* todo o processo'. Editado e com áudio aumentado, agora neste vídeo, você poderá ouvir muito bem.

https://www.youtube.com/watch?v=shF8JvdSwdc&feature=share

AS ARTIMANHAS DE CARDOSO

“Cardozo confidenciou a pelo menos duas pessoas que as coisas iriam se agravar e que “alguém grande” estava colaborando com a Justiça. Cardozo sabia que seria “execrado” pelo PT se ainda estivesse à frente da Justiça quando Lula fosse alvo direto da Lava-Jato. Além disso, se preocupava com o fato de Delcídio ter ido com muita frequência ao Ministério da Justiça”.
http://veja.abril.com.br/…/saida-de-cardozo-ja-previa-o-pi…/

A desinformação aguerrida da imprensa é impressionante... Não chega de tratar essa quadrilha como gente comum e respeitável, não? Pelo amor de Deus! José Eduardo Cardoso é ativo participante das reuniões do Foro de São Paulo (QUE CONTINUA SENDO CRIMINOSAMENTE OMITIDO NAS REPORTAGENS SOBRE A LAVA JATO E A ROUBALHEIRA PETISTA) e não dá 'ponto sem nó'. Saiu da pasta da Justiça de 'caso pensado', programado e articulado.
Dois dias depois de sua saída do ministério, a revista, na qual sua companheira Débora Bergamasco (http://www.polemicaparaiba.com.br/…/bastidores-da-delacao-…/) trabalha como jornalista, publicou uma reportagem bombástica revelando parte da delação premiada do senador petista Delcídio do Amaral.
Quem será que 'vazou' a delação para a jornalista?
Na verdade, a matéria da IstoÉ tinha a intensão de invalidar a delação de Delcídio (já que se tornaria pública antes da homologação, prejudicando, no caso, o delator) e de provocar o adiantamento da execução da ordem da PF de condução coercitiva de Lula para depor, uma vez que já estava em acelerado andamento a 'operação' de destruição de provas nos lugares comprometidos com as investigações (hahahahahaha! Desculpem, mas é que morro de rir com essa gente achando que as provas precisam ser 'recolhidas' in loco e que já não se as tenha aos montes).
Ora, ora, quem será que avisou antecipadamente a Lula, a Dilma e ao PT que tais buscas e apreensões ocorreriam, bem como a condução coercitiva do 'Pai'? Quem?
E por que interessava ao PT que tudo isso fosse revelado e ocorresse? Porque, assim, Lula ganharia espaço na mídia para se fazer de vítima e discursar, gratuitamente e em rede nacional, durante dez minutos, sem contraditório, proferindo uma infindável lista de mentiras, além, é claro, dar sinal verde para que 'seu exército de assassinos famintos' saísse em guerra pela conquista do país.
Vai dar tudo errado para os comunas? Vai. Mas, o desespero é grande - e a burrice, cá pra nós, também.

Parabéns a todos os comunas do PSDB! Vocês conseguiram acabar com as grandes manifestações de rua dos brasileiros de bem deste país! Temos que reconhecer que foi um trabalho de experts mesmo.
Quando, em junho de 2013, a esquerda assumida percebeu que perdia o espaço das ruas, com as manifestações de massa, tomadas pelos brasileiros de bem, de direita em sua maioria, acionou o plano B. Entrou em ação o pessoal da esquerda 'light' (os sofisticados fabianos), que servem sempre para preparar o terreno para ascensão dos 'brothers' radicais.
Patrocinaram - é, PATROCINARAM - manifestações pró-impeachment (que sabiam que jamais aconteceria), apoiando, inclusive financeiramente, 'novos' movimentos de rua, criando novos 'líderes' e, lógico, cuidando de afastar TODOS os outros grupos que, por não acreditarem no impeachment, pediam intervenção popular, ou militar, ou ainda a desobediência civil, pela paralisação do país.
Deram, sim, dinheiro para o crescimento destes novos grupos e para a organização das manifestações de rua, bem como abriram espaço para toda essa gente na mídia de grande alcance. O trabalho, lógico, continuou nas redes sociais, com o patrocínio de páginas e de sites bem organizados, de canais de vídeo com produções bem feitas, além de bancar a promoção paga de tais posts, páginas e vídeos (é, isso existe, para quem não sabe),
Para quem pensa que as tais grandes manifestações de rua sejam coisa de voluntariado bem intencionado ou de consequência do 'poder' das redes sociais (hahahaha! Desculpem), resta desenhar: isso é coisa para profissional, coisa de gente que tem dinheiro reservado para isso - muito dinheiro.
Agora é essa 'nova gente' que se apropriou das ruas. Essa gente que não permite que se fale em fraude eleitoral, em desobediência civil e muito menos em intervenção popular ou militar.
Temos que dar a mão à palmatória: foi um trabalho e tanto, danado de bem feito. Já que a esquerda tradicional perdeu o monopólio das ruas e do discurso nos palanques e nas redes sociais, cria-se uma esquerda light liberal, fantasiada de direita, e pronto: cala-se a verdadeira direita, tirando-a das ruas, ao sufocar-lhe a voz, o ânimo e a esperança (porque, claro, o trabalho é infundir nos inocentes manifestantes a descrença, já que tais manifestações não conseguem seu intento, e o consequente desânimo).
Percebendo que haja algo de errado, a tal da direita, que já era dividida entre conservadores e liberais, divide-se ainda mais, uma vez que muitos não conseguem apreender que os surgidos movimentos de oposição ao atual governo, agora afamados, sejam, na verdade, de esquerda light. Por que isso acontece? Ora porque o discurso desta falsa direita é recheado de boas causas: quer o fim da corrupção, o impeachment, a diminuição do Estado e dos impostos, a prisão dos corruptos, blá, blá, blá - todas causas justas, ora bolas.
Mas, o rompimento estrutural do sistema político, a quebra da espinha dorsal do comunismo no país e o desaparelhamento esquerdista das instituições sociais - isso essa falsa direita não quer de jeito nenhum! E é justamente o que a direita verdadeira, maioria esmagadora do povo brasileiro, quer!
E tem uma última coisa que alguns liberais distraídos precisam colocar na cabeça: liberalismo econômico sem conservadorismo institucional e social dá nisso aí que estamos vendo aqui no Brasil e mundo afora - enfraquecimento das instituições do Estado e da estrutura social. É suicídio.

DENÚNCIA - QUEM SERÁ POR ESSES JOVENS?

RELATÓRIO ENEM - VERGONHA, INJUSTIÇA E DECEPÇÃO

EM NOME DE UM 'JUSTIÇAMENTO' SOCIAL 'REVOLUCIONÁRIO', O EXAME NACIONAL VAI LEVAR O ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DO BRASIL PARA O FUNDO DO POÇO!

O PSDB E AÉCIO NEVES PERDERAM EM MINAS GERAIS. SAIBA COMO REBATER ESTE ARGUMENTO QUE O PT QUER USAR PARA DESQUALIFICAR A CANDIDATURA DE AÉCIO À PRESIDÊNCIA

O PSDB E AÉCIO NEVES PERDERAM EM MINAS GERAIS. SAIBA COMO REBATER ESTE ARGUMENTO QUE O PT QUER USAR PARA DESQUALIFICAR A CANDIDATURA DE AÉCIO À PRESIDÊNCIA 

Por Christina Fontenelle/Rebecca Santoro

08/10/2014

MANIFESTAÇÕES DE JUNHO DE 2013

Por outro lado, já que ‘o leite foi derramado’, depois que milhões de brasileiros, com as melhores das intenções, foram às ruas, há que se pegar o que haja de bom nessa situação – e há – para tentar desmontar a ‘operação de bolivarianização’ do país orquestrada pelo PT e pelo Foro de São Paulo (se você, leitor, não sabe o que seja esta organização, AQUI e AQUI). Há maneira de fazer isso e vou me arriscar a colocá-la aqui, no final de tudo.

LEIA ÍNTEGRA AQUI

ESPIONAGEM DOS EUA POR OUTRO ÂNGULO

Vamos raciocinar. Os postos chave no comando do governo nos EUA são sistematicamente ocupados – e não importa se por democratas ou por republicanos – por pessoas ligadas à Oligarquia Financeira Transnacional – que são as grandes corporações que pretendem formar um governo mundial sob uma Nova Ordem Mundial. E isso acontece em detrimento da própria população e do Estado norte-americano. E quais os interesses desse grupo que estão em jogo em relação às telecomunicações, via telefone ou computadores? 

CONTINUE A LER AQUI